Google+ Followers

Google+ Followers

domingo, 6 de novembro de 2016

A desenhar no Mercado do Livramento em Setúbal

Este foi o meu primeiro contacto com o grupo de urban scketchers de Setúbal, iniciado por Zé Minderico, um grande entusiasta do desenho que muito bem fez as horas da casa. Aguardemos por novos encontros, ao que parece agendados para as manhãs dos primeiros sábados de cada mês, portanto fiquem atentos e apareçam.




O mercado (foto roubada da capa do evento).




O primeiro scketch foi feito no Café Pancada do Mar enquanto tomava um café. 





No Café Pancada do Mar...




A Florista Tonica, uma jovem que já aqui vende flores desde o 25 de Abril.




O Sr. Carlos Vicente, artesão que faz garrafas com miniaturas dentro, ao ver a minha dificuldade em tirar a foto, porque não conseguia segurar o caderno e o TM ao mesmo tempo, prontificou-se a dar uma ajuda.





No Livramento tudo é bom, mas os peixes são uma tentação.





A beleza dos peixes frescos do mercado de Setúbal. A variedade e a qualidade é tanta que dá vontade de os comprar todos.
































...e muita coisa ficou por desenhar... o que faz nascer uma vontade de lá voltar.





ZéMinderico, o dinamizador do encontro, a desenhar.




























Um momento de partilha dos desenhos feitos e também de dar os últimos retoques.

domingo, 23 de outubro de 2016




A desenhar no Coliseu

















Panorâmica da sala vista desde o palco. — em Coliseu dos Recreios.






















A desenhar no palco. 
































O que os artistas vêm quando estão em cena.






















Aqui nos camarins a fingir ser artista. 
































Átrio.
































O bar dos artistas. Este bar apenas tem acesso pelo palco, está vedado ao público.
































Átrio.

































Desenho feito na "Taberna" da Casa do Alentejo, durante o almoço, antes de entrar para desenhar no Coliseu dos Recreios.








segunda-feira, 26 de setembro de 2016




O caderno indiano

Há dias, numa "feira medieval", encontrei este caderno de que logo gostei. A vendedora disse-me que era feito na Índia e o papel é de algodão... na verdade o papel não é lá grande coisa mas vou-me adaptando a ele aos poucos e espero partilhar aqui convosco os desenhos com que o vou preenchendo. Vamos ver no que dá.

















A capa é de couro vermelho e o papel é de algodão, diz a vendedora...




Estes três primeiros desenhos foram feitos sem grandes preocupações, mais para testar o papel, durante uma visita ao Palácio de Belém.
Este primeiro enquanto decorria uma apresentação de alguns escritores de expressão lusófona na sequência de uma pequena feira do livro, promovida pelo Presidente da República.
Os patos do Jardim Tropical, antigo Jardim do Ultramar, que tem ligação com os jardins do Palácio de Belém.















"Melaleuca lanceolata", pormenor.

































Um aspecto do Jardim Tropical com uma grande "Melaleuca lanceolata" que me captou a atenção dado a sua grande dimensão. 
































Depois da pesca na Praia da Bela Vista.































Pôr do Sol no bar Casa Da Praia, Praia da Bela Vista.






























As miúdas da Praia da Bela Vista...






























Uma vista da Serra de Sintra e a margem esquerda do Tejo.






























Para os lados da Fonte da Telha e Cabo Espichel...




















Cabo Espichel, pormenor.




 Praia da Bela Vista.





Este papel não foi feito para aguarela, a primeira experiência foi um fracasso, repassou para cerca das três folhas seguintes. 
Tenho que pensar em usar um outro tipo de material para colorir.









































Na Bela Vista...




Pormenor. Aqui usei os lápis de côr mas sem grandes resultados. Estou a pensar experimentar o pastel seco, penso que será o mais adequado.








































 Um pequeno pormenor da Arriba Fóssil, frente á Praia da Bela Vista. A caneta de gel, côr sépia, continua a ser a minha preferida e talvez a mais adequada a este tipo de papel do tipo "papel manteiga" mas para pior...

































Conforme já comentei, hoje experimentei fazer um desenho pintado a pastel aqui no "Caderno Indiano"...



































... mas o resultado não foi lá muito animador, acho que o melhor será continuar com a caneta de gel...

































Raiz de cana, hoje naPraia da Bela Vista.